Representações dos funcionários de casas de acolhimento sobre a institucionalização de crianças e adolescentes em risco social e pessoal em Viçosa - MG

  • Jaqueline de Freitas Lopes
  • Maria de Lourdes Mattos Barreto UFV

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa que teve por tema as representações construídas sobre a institucionalização de crianças e adolescentes em risco social e pessoal por funcionários de Casas de Acolhimento em Viçosa, MG. A pesquisa, de abordagem qualitativa descritiva, foi realizada através de entrevistas gravadas com quinze indivíduos, em duas casas de acolhimento da cidade de Viçosa-MG. Os dados obtidos foram submetidos à análise qualitativa, e as respostas dos sujeitos foram agrupadas em subcategorias previamente definidas. Os resultados mostraram que a institucionalização de crianças e adolescentes ainda é priorizada em detrimento de políticas de reconstrução e fortalecimento dos vínculos familiares uma vez que faltam políticas públicas efetivas no fortalecimento da família para superação das dificuldades que levaram a situação de vulnerabilidade, e consequentemente, ao acolhimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline de Freitas Lopes
Assistente Social. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa.
Maria de Lourdes Mattos Barreto, UFV
Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Docente do Departamento de Economia Doméstica e do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil

Referências

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1981.
BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 16 jul. 1990.
BRASIL. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, novembro de 2004.
CARVALHO, M. C. A.; TEIXEIRA, A. C. Conselhos gestores de políticas públicas. São Paulo: Pólis, 2000.
CORSARO, William A. Sociologia da infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.
DELVAL .J. Introdução à prática do Método Clínico descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.
FALEIROS, Vicente de Paula. Políticas para a infância e adolescência e desenvolvimento. Políticas sociais - acompanhamento e análise. 11 de ago. 2005. Disponível em: Acesso em: 19 de set. de 2012.
GIAQUETO, A. Caminhos para a atenção à infância e adolescência no Brasil: as políticas sociais e as legislações. In Revista Ágora: Políticas Públicas e Serviço Social, Ano 2, nº 4, julho de 2006 – ISSN – 1807-698X. Disponível em: Acesso em 14 de jun de 2012.
GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.
KRAMER, S. Autoria e Autorização: Questões Éticas na Pesquisa com Crianças. SP, Cadernos de Pesquisa, n°. 116. p. 41-59. 2002.
LORENZI. Gisella Werneck. Uma Breve História dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil. 11/12/2007. Disponível em: Acesso em: 11 de abril de 2011.
MELIM. Juliana Iglesias. A participação popular no Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente de Vitória: promessa ou realidade? Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Espírito. 2006.
MORENO, R.S; SARAIVA, S. B. C. As meninas do Brasil: um olhar sobre gênero, estigma e políticas públicas de atendimento as ‘Evas’ brasileiras. IN: VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006. Disponível em: Acesso em 19 de set. de 2011.
PINHEIRO. Márcia Maria Biondi. A intermediação da Assistência Social nas Subvenções Sociais: O Caso de Minas Gerais. São Paulo. PUC/SP, 2008.
RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. 2. ed. Rev. São Paulo: Cortez, 2008.
RIZZINI, Irene. PILOTTI, Francisco. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 2. ed. Rev. São Paulo: Cortez, 2009.
SARAMAGO, S. S. S. Metodologias de Pesquisa Empírica com crianças. Sociologia, Problemas e Práticas. N° 35. 2001, p. 9-29.
SILVA, Maria Liduína de Oliveira e. O Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Menores: continuidades e descontinuidades. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, v. 83, p. 30-48, 2005.
SIMÕES, C. Curso de direito do serviço social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007.
TAKASHIMA, G. M. K. O desafio da Política de Atendimento à Família: dar vida às leis: uma questão de postura. IN: KALOUSTIAN, S.M. (org.) Família Brasileira: A base de tudo. São Paulo: Cortez, Brasília: UNICEF, 2004.
WEBER, L. N. D. Laços de ternura: pesquisas e histórias de adoção. 2. ed. Curitiba: Santa Mônica, 1998.
Publicado
2016-12-08
Como Citar
Lopes, J. de F., & Mattos Barreto, M. de L. (2016). Representações dos funcionários de casas de acolhimento sobre a institucionalização de crianças e adolescentes em risco social e pessoal em Viçosa - MG. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 27(2), 49-77. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3708
Seção
Artigos