A representação de crianças e adolescentes abrigados em Viçosa-MG sobre a convivência familiar e comunitária

  • Izabela Amaral de Almeida
  • Maria de Lourdes Mattos Barreto Universidade Federal de Viçosa

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa sobre as representações que crianças e adolescentes institucionalizados têm sobre a convivência familiar e comunitária. Os dados analisados referem-se às ideias de crianças e adolescentes com idades entre 7 e 17 anos, que residem em dois Abrigos de Viçosa-MG. O método utilizado para coleta e análise de dados foi o Método Clínico Piagetiano. Os dados obtidos foram submetidos à análise qualitativa, e as respostas dos sujeitos foram agrupadas em subcategorias previamente definidas. Os resultados mostraram que a institucionalização ainda é priorizada em detrimento de políticas de reconstrução e fortalecimento dos vínculos familiares uma vez que faltam políticas públicas efetivas no fortalecimento da família para superação das dificuldades que levaram a situação de vulnerabilidade, e consequentemente, ao acolhimento.

 

Crianças e adolescentes; Convivência Familiar e Comunitária; Método Clínico Piagetiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izabela Amaral de Almeida
Possui graduação em Serviço Social pela Escola de Estudos Superiores de Viçosa (2010) e mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (2013), atuando na Linha de Pesquisa Família, Políticas Públicas e Avaliação de Programas e Projetos Sociais. Tem experiência na área de Serviço Social Judicial.
Maria de Lourdes Mattos Barreto, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1986), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é professora Associada I (DR) da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Economia Doméstica, com ênfase na Área de Família e Desenvolvimento Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas, Programas e Projetos Sociais para a Infância; Políticas de Proteção à Infância; Construção do Conhecimento Social envolvendo temáticas pertinentes à Economia Doméstica tendo crianças e adolescentes como fontes privilegiadas da pesquisa. Educação Infantil.

Referências

ANDRADE, Cassia Aparecida. Estudo das representações sobre o adoecimento e hospitalização pela Perspectiva de Crianças Hospitalizadas numa Abordagem Piagetiana. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2011.

ARPINI, D.M. Violência e exclusão: adolescência em grupos populares. Bauru, SP: EDUC, 2003.

BARRETO, M. L. M. Procedimentos de representações gráfica da quantidade em crianças de 4 a 6 anos de idade: uma perspectiva piagetiana. Campinas: 2001. 241 p. Tese (Dissertação de doutorado) UNICAMP, 2001.

BARRETO, M.L.M. Fundamentos da Teoria Piagetiana. Viçosa, MG: UFV/Departamento de Economia Doméstica, 2010. (Apostila da disciplina ECD 233-Fundamentos da Teoria Piagetiana).

BARRETO, M. L. M. Fundamentos da teoria piagetiana. Viçosa, MG: UFV, 2012. (Notas de aula).s.d; s.e.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília, novembro de 2004.

COSTA, Bethania de Assis. Com a voz as crianças: um estudo sobre as representações de escola na educação infantil. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2012.

DELVAL, Juan. Introdução à Prática do Método Clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre, ArtMed, 2002.

FREUD A, BURLINGHAM D. Meninos sem lar. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura; 1958.

MIOTO, R. C. T. “Novas propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sociofamiliar”. In: Política Social, Família e Juventude. São Paulo: Cortez, 2004.

PIAGET, J. A (1926). Representação do Mundo na Criança. São Paulo: Idéias & Letras, 2005.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A psicologia da criança. 6. ed. São Paulo, SP: Difel, 1966/1973.

SARAVALI, E. G.; GUIMARÃES, T. Ambiente educativo e conhecimento social: um estudo sobre as representações de escola. Educação em Revista, v. 26, n. 1, p. 157-184,2010.

SILVA, M. I. R. S. Crianças e adolescentes abrigados: vínculos e rupturas na história de convivência familiar e comunitária. Juiz de Fora: mestrado em serviço social, UFJF-MG. 2007.

SOARES, Olga Maria de Araújo. A representação de crianças e adolescentes sobre a inclusão escolar. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2012.

SPOSATI, A. “Especificidade e intersetorialidade da política de assistência social”. In: Serviço Social e Sociedade, nº 77. São Paulo: Cortez Editora, março 2004.
Publicado
2014-07-31
Como Citar
Amaral de Almeida, I., & Mattos Barreto, M. de L. (2014). A representação de crianças e adolescentes abrigados em Viçosa-MG sobre a convivência familiar e comunitária. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 25(1), 039-068. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3683
Seção
Artigos