Novas arquiteturas curriculares do Ensino Médio:

entre o velho descaso e costumeiro faz de conta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v13i2.16819

Palavras-chave:

Ensino médio, Protagonismo estudantil, Referencial curricular gaúcho, BNCCEM, Formação científica

Resumo

Este artigo aborda a Nova Arquitetura Curricular da Formação Geral Básica no contexto do Novo Ensino Médio no Brasil, com foco nas implicações da Base Nacional Comum Curricular para o Ensino Médio (BNCCEM) e nos Itinerários Formativos. O estudo também analisa o Referencial Curricular Gaúcho para o Ensino Médio (RCGEM) e sua perspectiva de protagonismo estudantil e formação científica, com ênfase na realidade do Estado do Rio Grande do Sul. A pesquisa utiliza uma abordagem documental e reflexiva para explorar as principais dimensões dessas diretrizes curriculares e suas implicações na formação dos estudantes brasileiros. O estudo identifica um currículo flexível fornecido pela introdução da BNCCEM e dos Itinerários Formativos, permitindo aos estudantes trilhar caminhos alinhados com seus interesses e aptidões. No entanto, também são levantadas questões legítimas sobre a manutenção da formação científica e humanista. O artigo destaca que a alinhamento dessas diretrizes enfrenta desafios significativos, desde a formação docente até a infraestrutura das escolas, passando pelo comprometimento da sociedade. A conclusão do estudo enfatiza a importância de encontrar um equilíbrio entre a flexibilidade curricular e a qualidade do ensino, ressaltando a necessidade de priorizar a formação científica e o protagonismo estudantil. A coparticipação da comunidade e os professores é vista como essencial para a construção de uma estrutura curricular que acolha os jovens e promova valores democráticos, de solidariedade e desenvolvimento vinculados à vida em suas diversas formas de existência. A pesquisa destaca a importância de políticas públicas específicas nesse campo educacional em constante evolução.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudionei Vicente Cassol, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missôes

Doutor em Educação nas Ciências – PPGEC – Unijuí (Bolsa PROSUC/CAPES). Professor na URI – Frederico Westphalen-RS e CEEDO – Cerro Grande-RS. Integrante do Grupo Biosofia (Pesquisa e Estudos em Filosofia), URI-Frederico Westphalen-RS. E-mail: cassol@uri.edu.br. https://orcid.org/0000-0001-7837-887X.

Referências

ABRAMO, H.W. O Uso das Noções de Adolescência e Juventude no Contexto Brasileiro. In: FREITAS, M.V. (Org.). Juventude e Adolescência no Brasil: referências conceituais. São Paulo/SP: Editora Ação Educativa, 2005.

BASSO, R.; CANAN S.R. Educação, políticas e gestão pública. Revista Perspectiva, Florianópolis/SC, v. 44, n. 168, p. 65-72, 2021.

BRASIL. Anuário Brasileiro da Educação Básica. Brasília/DF: Todo pela Educação; São Pau-lo/SP: Editora Moderna, 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: a educação é a base. Brasília/DF: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e n. 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei n. 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União (DOU), Brasília/DF, fev. 2017.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Diário Oficial da União (DOU), Brasília/DF, dez. 1996.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 11/2009, de 30 de junho de 2009. Proposta de experiência curricular inovadora do Ensino Médio. Diário Oficial da União (DOU), Brasília/DF, jun. 2009.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União (DOU), Brasília/DF, dez. 2019.

BRASIL. Resolução n. 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União (DOU), Brasília/DF, nov. 2018.

CASTRO, F.P.; MARQUES, R.N.; MIRANDA, M.C.R. A construção do conhecimento científico na base nacional comum curricular. Revista Interfaces Científicas - Educação, Aracaju/SE, v. 9, n. 1, p. 107-118, 2020. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/8740. Acesso em: 04 out. 2021.

FERRETTI, C.J. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Revista Ensino de Humanidades, São Paulo/SP, v. 32, n. 93, maio/ago. 2018. Disponível no endereço: https://www.scielo.br/j/ea/a/RKF694QXnBFGgJ78s8Pmp5x/?lang=pt. Acesso em: 20 set. 2021.

FRIGOTTO, G. Novo Ensino Médio e os impactos de sua implementação na educação pública em 2021 (Entrevista). Sindicato do Instituto Federal de Educação (SINTIFRJ), jun. 2021. Disponível no endereço: http://sintifrj.org.br/sintifrj/2021/06/16/novo-ensino-medio-e-os-impactos-de-sua-implementacao-na-educacao-publica/. Acesso em: 06 set. 2021.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Perspectivas sociais e políticas da formação de nível médio: avanços e entraves nas suas modalidades. Revista Educação & Sociedade, Campinas/SP, v. 32, n. 116, p. 619- 638, 2011.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere: os intelectuais, o princípio educativo. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 4. ed. Rio de Janeiro/RJ: Editora Civilização Brasileira, 2006.

MOLL, J. Reformar para retardar: a lógica da mudança no EM. Revista Retratos da Escola, Brasília/DF, v. 11, n. 20, p. 61-74, jan./jun. 2017. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/771. Acesso em: 8 nov. 2021.

MORIN, E. Amor, poesia e sabedoria. Tradução: Edgard de Assis Carvalho. 7. ed. Rio de Janeiro/RJ: Editora Bertrand Brasil, 2005.

NÓVOA, A. Nada será como antes. Revista Pátio, Porto Alegre/RS, n. 72, p. 18-21, nov./jan. 2015.

RAMOS, M.; FRIGOTTO, G. Medida provisória n. 746/2016: a contrarreforma do Ensino Médio do golpe de estado de 31 de agosto de 2016. Revista HISTEDBR, Campinas/SP, n. 70, p. 30-48, dez. 2016.

RS [Rio Grande do Sul]. Referencial Curricular Gaúcho - Ensino Médio (RCGEM). Porto Alegre/RS: Secretária Estadual de Educação, 2021. Disponível em: https://educacao.rs.gov.br/upload/arquivos/202111/24135335-referencial-curricular-gaucho-em.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

RS [Rio Grande do Sul]. Resolução CEEd n. 349, de 20 de dezembro de 2019. Orienta o Sistema Estadual de Ensino para implementação do Ensino Médio no Estado do Rio Grande do Sul, conforme dispõe a Lei federal n. 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Diário Oficial do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS, dez. 2019.

Downloads

Publicado

15-05-2024

Como Citar

ALBARELLO, E.; CASSOL, C. V. Novas arquiteturas curriculares do Ensino Médio: : entre o velho descaso e costumeiro faz de conta. Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 01–20, 2024. DOI: 10.47328/rpv.v13i2.16819. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/16819. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)