SISTEMA DE COTAS E FRAUDES EM UMA UNIVERSIDADE FEDERAL BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18540/revesvl3iss3pp0001-0023

Palavras-chave:

Cursos de alto prestígio; sistema de cotas; subcotas Étnico-raciais; fraudes; mulheres pretas.

Resumo

Neste artigo são apresentados alguns resultados de uma pesquisa financiada pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC/CNPq-2017/2018. A investigação visava a pesquisar o impacto, em sentido amplo, do ingresso de estudantes subcotistas étnico-raciais na UNIVERSIDADE X, mas em alguns de seus cursos de alto prestígio, a saber: Agronomia, Direito, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Medicina e Medicina Veterinária. O período pesquisado, do primeiro semestre de 2013 ao segundo semestre de 2016, refere-se ao prazo para o cumprimento integral do disposto na Lei 12.711/2012, que determinou a implantação do sistema de cotas nas universidades federais brasileiras. Constatou-se, por um lado, que houve o ingresso fraudulento de estudantes brancos/as nas subcotas étnico-raciais destinadas a estudantes pretos/as, pardos/as e indígenas. Por outro lado, e em consequência das fraudes, a pesquisa também evidenciou a pouca presença de estudantes negras (pretas e pardas) nos cursos supracitados, mesmo após a implementação de uma política pública que tinha como objetivo aumentar a presença dessas estudantes na universidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-06-20

Como Citar

SANTOS, S. A. dos; FREITAS, M. S. SISTEMA DE COTAS E FRAUDES EM UMA UNIVERSIDADE FEDERAL BRASILEIRA. REVES - Revista Relações Sociais, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 0001-0023, 2020. DOI: 10.18540/revesvl3iss3pp0001-0023. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/reves/article/view/10034. Acesso em: 22 out. 2020.

Edição

Seção

General Papers/Artigos