Por uma geografia climática escolar: o tempo e clima através das canções populares regionais

Palavras-chave: Tempo; Clima; Ensino; Aprendizagem e Geografia

Resumo

Os problemas ambientais urbanos e rurais, muitas das vezes, decorrem de fenômenos atmosféricos extremos. Nos trópicos, especialmente as chuvas intensas e secas. Todavia, o presente ensaio busca mostrar como a população em diferentes lugares do Brasil se relaciona com a mudança do tempo atmosférico e o clima, bem como os sinais utilizados pelas populações. Para isso, utilizar-se-á, o exemplo da região sul e nordeste do Brasil, a partir do registro fonográfico de duas canções relacionadas ao homem do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Soares Fialho, Universidade Federal de Viçosa, Brasil

Nascido no Rio de Janeiro, onde estudou no Colégio Pedro II (Unidade São Cristóvão). Graduou-se em Geografia (Bacharel e Licenciatura) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1997 e 1998), com mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro Viçosa (2002) e Doutorado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (2009). Atualmente é Professor Adjunto I da Universidade Federal de Viçosa, ministrando disciplinas relacionadas à área de Geociências. Possui experiência na área de Climatologia Urbana e Geografia Física, atuando principalmente nos temas relacionados campo térmico, impacto meteórico, clima e saúde, (des)organização do território e meio ambiente. É coordenador do Laboratório de Biogeografia e Climatologia do DGE-UFV e Membro permanente dos Programas de Pós-graduação em Geografia da UFV e da UFES.

Referências

AB’SABER, A. N. Províncias geológicas e domínio morfoclimáticos do Brasil. Geomorfologia, São Paulo, n. 20, 1970.

_____. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ALVES, J. A. Geoecologia da caatinga no semi-árido do nordeste brasileiro. Revista Climep, Rio Claro-SP, v. 2, n. 1, p. 58-71, 2007.

APLIN, K. L., WILLIAMS, P. D. Meteorological phenomena in Western classical orchestral music. Weather, Londres, v. 66, n. 11, p. 300-306, 2011.

AUSTREGÉSILO, J. M. Luiz Gonzaga: o homem, sua terra e sua luta. Recife: FASE Faculdade, 2012. 288p.

BASTOS, S.; FUENTES, M. C. O uso da etnoclimatologia para a previsibilidade de chuvas no município de Retirolândia-BA. Revista do CERES, Salvador, v. 1, n. 2, p. 176-183, 2015.

BLANC, J. F.; BLANC, A. F. Las cabañuelas o la predicción Del tiempo em El saber popular. Nimbus: Revista de climatología, meteorología y paisaje, Almería, n. 11-12, p. 151-157, 2003.

BORSATO, V. A dinâmica climática do Brasil e massas de ares. Curitiba: Editora CRV, 2016.

BRAGA, G. B.; FIUZA, A. L. C.; REMOALDO, P. C. A. O conceito de modo de vida: entre traduções, definições e discussões. Sociologias, Porto Alegre, v. 19, n. 45, p. 370-396, 2017.

BROWN, S.; APLIN, K. L.; JENKINS, K.; MANDER, S.; WALSH, C.; WILLIAMS, P. Is there a rhythm of the rain? An analysis of weather in popular music. Weather, Londres, v. 70, n. 7, p. 198-204, 2015.

CABAÑAS. R. T. Historia de la climatología astronómica. Del neolítico a la época de Ptolomeo. Revista de Climatologia, Madri, v. 14, p. 71-80, 2014.

CALLE, B. E. M. El trabajador del tiempo y la naturaleza: Su conocimiento tradicional. Antropología Americana, Cidade do México, v. 2, n. 3, p. 65-95, 2017.

CAMPBELL, L.; CAMPBELL, B.; DICKINSON, D. Ensino e Aprendizagem por meio das Inteligências Múltiplas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

COLLISCHONN, E. Superando a educação bancária na formação de professores de geografia através da experimentação. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 205-228, 2007.

COLLISCHONN, E.; FIALHO, E. S. Problematizando a inscrição sociocultural do pensamento “politicamente correto” em tempos de mudanças climáticas. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, n. 33, p. 191-214, 2007.

COSTA, F. S.; RODRIGUES, J. P. As representações de nordestinidade na obra musi-cal gonzagueana: contribuições da comunicabilidade e do dialogismo para sua compre-ensão. Revista Diálogos, Florianópolis, n. 11, p. 164-189, 2014.

DRUMOND, M. A., KIILL, L. H. P., LIMA, P. C. F., OLIVEIRA, M. C., OLIVEIRA, V. R., ALBUQUERQUE, S. G., NASCIMENTO, C. E. S. & CAVALCANTE, J.. Estratégias para o uso sustentável da biodiverdidade da caatinga. In: SEMINÁRIO PARA AVALIAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO, UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL E REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS DA BIODIVERSIDADE DO BIOMA CAATINGA. Embrapa/Cpatsa, UFPE e Conservation International do Brasil, Petrolina, 2000

FERNANDES, L. A.; FIALHO, E. S. O papel dos saberes vernaculares, com ênfase nos ditos populares, para a aprendizagem significativa da climatologia no Ensino médio: Uma proposição. In: SIMPOSIO BRASILEIRO DE CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA, 2018, Juiz de Fora-MG. Anais..., p. 1023-1032.

FIALHO, E. S. Práticas do ensino de climatologia através da observação sensível. Ágo-ra, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 105-123, 2007.

FIALHO, E. S. A Geografia escolar e as questões ambientais. Revista Ponto de Vista, Viçosa, n. 5, p. 49-63, 2008.

FIALHO, E. S. Climatologia: Ensino e Emprego de Geotecnologias. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, ano 9, v. 13, p.30-50, 2014.

FOLHES, M. T.; DONALD, N. Previsões tradicionais de tempo e clima no Ceará: o conhecimento popular a serviço da Ciência. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 19, n. 2, p. 19-31, 2007.

FRANÇA JUNIOR, P. MALYSZ, S. B.; LOPES, C. S. Práticas de ensino em climatologia: observação sensível do tempo atmosférico. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, ano 12, v. 19, p. 335-351, 2016.

HUNN, E. The value of subsistence for the future of world, en Virginia Nazarea, Ethnoecology. Situated Knowledge/ located lives, University of Arizona, Tucson, USA, 23-36 pp, 1999.

JATOBÁ, L. Geomorfologia do semi-árido. Recife, Universidade Federal de Pernam-buco, Núcleo de Educação Continuada, 31p. 1994.

JUÁREZ-BECERRIL, A. M. El oficio de observar y controlar el tiempo: los especia-listas metereológicos en el altiplano central. Un estudio sistemático y comparativo. 2010. 304 f. Tese (Doutorado em Antropologia), UNAM, Cidade do México, 2010.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 19ª ed. Rio de Janeiro. Ed. Zahar; 1992, 114p.

MARCELINO, E. V. NUNES, L. H.; KOBIYAMA, M. Banco de dados de desastres naturais: análise de dados globais e regionais. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 7, n. 19, p. 139-146, 2006.

MENDONÇA, F. Aspectos da interação clima-ambiente-saúde humana: da relação sociedade-natureza à (in) sustentabilidade ambiental. Raega: O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, n. 4, p. 85-99, 2000.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMA. Acordo de Paris. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/acordo-de-paris>. Acesso em: 6 jun. 2020.

MOREIRA, H. M. A formação da nova geopolítica das mudanças climáticas. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 4, n. 1, p. 275-292, 2013.

MOURA, R.; SILVA, L. A. A. Desastres naturais ou negligência humana?. Revista Geografar, Curitiba, v. 3, n. 1, p. 58-72 2008.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

OLIVEN, R. G. A parte e o todo: a diversidade cultural no Brasil-nação. Petrópolis: Vozes, 1992.

PANITZ, L. M. Por uma geografia da música: as representações do espaço geográfico na música popular platina. 2010. 200 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

PEREIRA, S. S. A música no ensino de geografia: abordagem lúdica do semiárido nordestino – uma proposta didático-pedagógica. Geografia Ensino & Pesquisa, Santa Maria-RS, v. 16, n. 3, p. 137-148, 2012.

RAMALHO, M. F. J. L. A fragilidade ambiental do Nordeste brasileiro: o clima semiárido e as imprevisões das grandes estiagens. Sociedade e Território, Natal, v. 25, nº 2, EDIÇÃO ESPECIAL, p. 104-115, jul./dez. 2013.

ROSA, R. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 16, p. 81-90, 2005.

SARTORI, M. G. B. Clima e percepção geográfica: Fundamentos teóricos à percepção climática e à bioclimatologia humana. Santa Maria, Pallotti, 2014.

SILVA FILHO, L. D. A seca do nordeste na voz de Luiz Gonzaga. 2014. 61f. Mono-grafia (Especialização em Fundamentos de Educação: práticas pedagógicas interdisci-plinares)- Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, 2014.

SILVA, G. B.; AZEVEDO, P. V. Índices de Tendências de Mudanças Climáticas no Estado da Bahia. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, São Paulo, n. 5, p. 141-151, 2008.

SILVA FILHO, L. D. da. A seca do nordeste na voz de Luiz Gonzaga. 2014. 61f. Monografia (Especialização em Fundamentos de Educação: práticas pedagógicas inter-disciplinares)- Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, 2014.

SIMIONI, J. P. D.; GUASSELLI, L. A. Banhados: abordagem conceitual. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 30, p. 33-47, 2017.

SOUZA, M. J. N. de.; OLIVEIRA, J. G. B.; LINS, R. C.; JATOBÁ, L. Condições geo-ambientais do semi-árido brasileiro. Revista Ciência e Trópico, Recife, v. 20, n. 1, p. 173-198, 1992.

STEINKE, E. T. Prática pedagógica em climatologia no ensino fundamental: sensações e representações do cotidiano. Acta Geográfica, Boa Vista, Edição Especial Climatolo-gia Geográfica, p. 77-86, 2012.

STEINKE, E.; FIALHO, E. S. Projeto coletivo sobre avaliação dos conteúdos de clima-tologia nos livros didáticos de 50 e 60 ano do Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 20, n. 1, p. 71-96, 2017.

TADDEI, R. A Comunicação social de informações sobre Tempo e Clima: O ponto de vista do usuário. CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, Anais..., 15, São Paulo, 2008, São Paulo.

VIEIRA, V. T. e HENNIG, P. C. A Natureza e o Gaúcho Herói nas tramas da história. História: Questões & Debates, Curitiba, v. 65, n. 2, p. 295-326, 2017.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
FIALHO, E. S. Por uma geografia climática escolar: o tempo e clima através das canções populares regionais. REVISTA PONTO DE VISTA, v. 9, n. 1, p. 36-53, 30 jun. 2020.
Seção
Artigos Científicos