O LOCAL E O GLOBAL NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO

  • Rodrigo Gava Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Mercado, Desenvolvimento, Desenvolvimento Local

Resumo

O objetivo proposto neste ensaio é o de articular uma breve contraposição ao pensamento hegemônico que ainda marca a temática do desenvolvimento. Sendo caracterizado por desenhos políticos tendenciosos no apoio a territórios e empresas já dinamizadas, as ações desenvolvimentistas persistem em adiar o esmorecimento das heterogeneidades do desenvolvimento nacional. Neste sentido, permanece presente o amparo dado pelos princípios da economia ortodoxa, qualificando-o e ao mesmo tempo restringindo o sentido de desenvolvimento à ideia de crescimento. Daí, costuma se esperar que seja formada a base para o progresso industrial e econômico-financeiro capazes de proporcionar o desenvolvimento social como uma variável resultante. A posição aqui assumida se contrapõe a essa, sugerindo que o modelo que prevalece nasce de bases comprometidas com retornos econômicos e não com a melhoria das condições humanas. Nesse sentido, são dispostos argumentos que ressaltem as capacidades locais e o estímulo à sua organização, sensíveis à formação e capacitação de arranjos de pequenas empresas para uma inserção proveitosa no mercado global. Na consideração da dinâmica local de desenvolvimento, contribuições sobre a geografia política do território são discutidas, especialmente as de Milton Santos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIN, M. The Community of Practice of the NOS Network: Collective Learning about
Local Clusters of Small Firms. Disponível em:
http://www.ebape.fgv.br/novidades/asp/dsp_dados_comunicados.asp?rep=545_p. Acesso em
04 set. 2006.
BORON, A. A nova ordem imperial e como desmontá-la. In SEOANE, J.; TADDEI, E.
Resistências mundiais: de Seattle a Porto Alegre. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 37-88.
CABRAL, R. P. O Império Pós-moderno: uma análise sobe a estratégia de engajamento e
expansão e o posicionamento do Brasil. IN COSTA, Darc; SILVA, Francisco Carlos Teixeira
da. Mundo Latino e Mundialização. Rio de Janeiro: Mauad: Faperj, 2004.
CASPARI, C. Participation in global value chains as a vehicle for SME upgrading: a literature
review. Series on upgrading in small enterprise clusters and global value chain. Geneva,
International Labor Office, 2003.
CHOMSKY, N. O lucro ou as pessoas: neoliberalismo e ordem global. 3ª ed. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2002. 192 p.
FARIA, A.; WENSLEY, R. Gerenciamento de marketing em networks: revelações críticas
sobre processo de pesquisa e especificidade cultural como prospectos para reconciliação entre
academia e prática. Anais do 24º Encontro da ANPAD, Florianópolis, 2000.
FERNANDES, R. Favelas abrigam 1 bilhão. O Globo, Rio de Janeiro, 17 jun. 2006. O
Mundo, p. 29, 2006.
GOODMAN, D.F., REDCLIFT, M. Refashioning nature: food, ecology & culture. London:
Routledge, 1991. 280 p.
HARDT, M.; NEGRI, A. O Império. Rio de Janeiro: Record, 2001.
HERRERA, R. The Neoliberal .Rebirth. of Development Economics. Monthly Review, v.
58, n. 1, May, 2006.
HUMPHREY, J. Opportunities for SMEs in developing countries to upgrade in global
economy. Seed Working Paper, n. 43, Series on upgrading sin small enterprise clusters and
global value chains. Geneva: International Labour Office, 2003. 30 p.
HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. Governance and upgrading: linking industrial cluster and
global value chain research. IDS Working Paper 120. 2000.
KLOPPENBURG, J.R. First the seeds: the political economy of plant biotechnology, 1492-
2000. Cambridge: Cambridge University, 1988. 350 p.
LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Mobilizando Conhecimentos para Desenvolver
Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais de Micro e Pequenas Empresas no Brasil
(Oitava Revisão). Disponível em: . Acesso em: 31 jul.
2006.
LUNDVALL, B- Å; JOHNSON, B. The learning economy. Journal of Industry Studies, v.
1, n. 2., December 1994, pp. 23-42.
MCCORMICK, D. Enterprise Cluster in Africa: On the way to Industrialisation? IDS
Discussion paper 366, Sussex: IDS. 1998.
MELLO, A. F. Capitalismo e mundialização em Marx. São Paulo: Perspectiva: Belém:
SECTAM – Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. 2000.
NADVI, K.; SCHMITZ, H. Industrial cluster in less development countries: review of
experiences and research agenda. Discussion Paper 339, Brighton, Institute of Development
Studies (IDS). 1994.
PINTO, J. R. L. Economia solidária: de volta à arte da associação. Porto Alegre: Editora da
UFRGS, 2006.
SADER, E. Hegemonia e contra-hegemonia para um outro mundo possível. In SEOANE,
J.; TADDEI, E. Resistências mundiais: de Seattle a Porto Alegre. Petrópolis: Vozes, 2001. p.
122-145.
SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. São Paulo>
Editora da Universidade de São Paulo, 2006. p. 261-310. (Coleção Milton Santos; 1).
_______. Economia espacial: críticas e alternativas. São Paulo: EDUSP, 2001. p. 137-164.
(Coleção Milton Santos; 3).
_______. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.
SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World
Development, v. 27, n. 9. 1999
STIGLITZ, J. O Fracasso da rodada de desenvolvimento. Laboratório Industrial Sindical –
Mercosul - União Européia (SINDLAB). Notícias, Mercosul, Geral. Disponível em:
http://www.sindlab.org/noticia02.asp?noticia=6520. Acesso em: 14 ago. 2006.
VIVERET, P. Reconsiderar a riqueza. Brasília: Universidade de Brasília, 2006. 222 p.
Publicado
2011-06-27
Como Citar
Gava, R. (2011). O LOCAL E O GLOBAL NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO. Administração Pública E Gestão Social, 2(3), 298-316. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4029
Seção
Artigos