TOUYE TE SOTI NAN, MEN MWEN ISIT LA! (VIM DE LONGE, MAS SOU DAQUI!)

  • Giovana Bueno Univali Universidade do Vale do Itajai
  • Nilvane Boehn Manthey Udesc
  • Flavio Ramos Univali
Palavras-chave: Administração Pública, Gestão Social, Estado, Governo e Sociedade

Resumo

A contratação de profissionais haitianos é um fato presente no setor da construção civil no Brasil. O presente caso de ensino retrata a estória de Clara, gestora de RH da Construtora Criati, empresa fictícia criada para ilustrar diversas situações do cotidiano de equipes de trabalho compostas por imigrantes haitianos. A inserção de profissionais haitianos na empresa Criati origina uma série de movimentos peculiares ao processo de adaptação das organizações e dos profissionais e culmina com o dilema do caso, estimulando a reflexão sobre a diversidade nas organizações. O enredo se baseou em situações reais fornecidas pelas entrevistas realizadas com gestores de quatro construtoras de médio e grande porte de Santa Catarina, dois membros do sindicato da construção civil e dois imigrantes haitianos. O objetivo é proporcionar ao aluno contato com situações reais de ambientes multiculturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Bueno, Univali Universidade do Vale do Itajai
Doutoranda em Administração
Nilvane Boehn Manthey, Udesc
Doutoranda em Administração
Flavio Ramos, Univali
Professor Doutor no Programa de Pos Graduação em Administração

Referências

Adler, N. (2002). International dimensions of organizational behavior. 4 ed. Cincinnati: South Western College Publishing.
Alessi, M. L. B. (2013). A Migração de Haitianos para o Brasil. Conjuntura Global, Curitiba, Vol. 2, n.2, abr./jun.
Bauman, Z. (1998). Intimations of Postmodernity. New York and London, Routledge.
Bauman, Z.(2002) La cultura como praxis. Buenos Aires, Paidós.
Barbosa, L.(2002) Cultura e Empresas. Rio de Janeiro: Jorge Zahard Ed.
Bertero, C. O. (2009). Cultura organizacional e instrumentalização do poder. In: Fleury, M. T. L.& Fischer, R. M. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.
Bueno, J. M.& Freitas, M. E. (2015). As Equipes Multiculturais em subsidiárias brasileiras de Multinacionais: Um Estudo de casos Múltiplos. O&S – Revista Organizações e Sociedade, Salvador, v. 22 - n. 72, p. 15-34 - Jan./Mar.
Caligiuri, P.M. (2000). Selecting Expatriates for Personality Characteristics: A Moderating Effect of Personalityonthe Relationship Between Host National Contact and Cross-cultural Adjustment. Management International Review. vol. 40, pp. 61 -80.
Caligiuri, P. M. & Di Santo, V. (2001). Global Competence: What is it, and can it be Developed Through Global Assignments? Human Resource Planning.
Castles, S. & Miller, M. J. (1998). The Age of Migration: International Population Movements in the Modern World. London: Macmillan Press.
Chevrier, S. (2000). Le management des equipes interculturelles. Paris: PUF.
CNIg – Conselho Nacional de Imigração. Recuperado de: http://portal.mte.gov.br/cni/. Acesso em: 09/02/2015.
Craide, A., Drumond-Abdala, V., Diederichs, T.M., & Cestari De Brito, A. (2011). “I came from there (but no one warned me!)”: reflections on people management policies that target intranational interculturality. Revista de Administração – FEA USP. São Paulo, v.46, n.4, p.358-372, out./nov./dez.
Craide, A.& Silva, F. B. (2012). A Mobilidade e a Gestão Intercultural nas Organizações. RPCA – Revista Pensamento Contemporâneo em Administração. Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, jan./mar.
De Cieri, H., Dowling, P. J.,& Taylor, K. F.(1991). The psychological impact of expatriate relocation on partners. International Journal of Human Resource Management,v. 2, n. 3, dezembro.
Finuras, P. (2003). Gestão Intercultural: pessoas e carreiras na era da globalização. Lisboa: Edições Sílabo.
Freitas, M. E. (2000). Como vivem os executivos expatriados e suas famílias: franceses em S.Paulo. Relatório de pesquisa, EAESP, São Paulo, 2000.
Freitas, M. E. (2007). Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson.
Giddens, A. (2001). Sociologia. Sobral J. (Coord. e Rev., 2004). 1º ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulkbenkian.
Homem, I. D.; Tolfo, S. R. (2008). Práticas de Gestão Internacional de Pessoas: Compensação e Seleção de Expatriados em uma Multinacional Brasileira. RAC-Eletrônica, Curitiba, v. 2, n. 2, art. 3, p. 201-217, Maio/Ago.
Hofstede, G. (2001). Culture’s Consequences: Comparing Values, Behaviors, Institutions, and Organisations Across Nations. 2ª. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2001.
IMDH. Instituto de Migrações e direitos humanos. (2014). Recuparado em: http://www.migrante.org.br/migrante/index.php?option=com_content&view=article&id=219&Itemid=1214.Acesso em 21.jul.2014.
Lii, S. & Wong, S. (2008). The antecedents of overseas adjustment and commitment of expatriates. The International Journal of Human Resource Management, Vol. 19, No. 2, 296–313, February.
Lima, J. B. B. & Simões, G. F. (2012). Programas de suporte a refugiados, asilados e apátridas no Brasil: uma abordagem exploratória. 1º Seminário Nacional de Pós-Graduação em Relações Internacionais, FINATEC.
Mascarenhas, A. O. (2002). Etnografia e Cultura Organizacional: uma contribuição da Antropologia à Administração de Empresas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 88-94, abr./jun.
Motta, F. C. P. Vasconselos, I. G. (2002). Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.
MTE, 2011 – Boletim Regional do Mercado de Trabalho Mesorregião do Vale do Itajaí – SC. Recuperado em: http://www.sst.sc.gov.br/sine/arquivos/boletim-regional.vale2013.pdf. Acesso: 09/02/2015.
Sainsaulieu, R. & Kirschner, A. (2006). Sociologia da empresa: cultura, poder, organização e desenvolvimento. Rio de Janeiro: DP&A.
Vidal, M. E., Valle, R. S., & Arago´N, M. I. (2007). The adjustment process of Spanish repatriates: a case study. Int. J. of Human Resource Management 18:8, 1396–1417, August.
Zanelli, J.C. (2003). Interação Humana e Gestão: uma compreensão introdutória da construção organizacional. São Paulo: Artmed.
Publicado
2019-07-01
Como Citar
Bueno, G., Manthey, N. B., & Ramos, F. (2019). TOUYE TE SOTI NAN, MEN MWEN ISIT LA! (VIM DE LONGE, MAS SOU DAQUI!). Administração Pública E Gestão Social, 11(3), 1-15. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5392
Seção
Casos para ensino