A representação de crianças e adolescentes sobre o respeito e a cooperação pelas crianças e adolescentes com deficiência

  • Olga Maria de Araújo Soares Universidade Federal de Viçosa
  • Maria de Lourdes Mattos Barreto Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Este artigo apresenta parte de uma pesquisa sobre a representação de crianças e adolescente sobre a inclusão escolar. Os dados analisados referem-se às ideias de crianças e adolescentes de 5 a 14 anos sobre o respeito e cooperação pelas crianças e adolescentes com deficiência. O método utilizado na pesquisa foi o Método Clínico, e os dados foram coletados por meio de entrevista clínica. Os dados obtidos sofreram análise qualitativa e as respostas dos sujeitos agrupadas níveis de compreensão social. Os resultados demonstram que as crianças e adolescentes mesmo não vivenciando a inclusão em suas escolas, tem o que dizer sobre esse processo. Além disso, essa representação é construída ao longo do desenvolvimento humano ou seja: não somente quando o sujeito é mais velho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARRETO, M. L. G. Procedimentos de representações gráfica da quantidade em crianças de 4 a 6 anos de idade: uma perspectiva piagetiana. Campinas: 2001. 241 p. Tese (Dissertação de doutorado) UNICAMP, 2001.

BARRETO, M.L.M. Fundamentos da Teoria Piagetiana. Viçosa, MG: UFV/Departamento de Economia Doméstica, 2011. 96 p. (Apostila da disciplina ECD 233- Fundamentos da Teoria Piagetiana).

BARRETO, M.L.M. Fundamentos da Teoria Piagetiana. Viçosa, MG: UFV/Departamento de Economia Doméstica, 2010. (Apostila da disciplina ECD 233- Fundamentos da Teoria Piagetiana).

BARROSO, L.M.S. As ideias das crianças e adolescentes sobre seus direitos: um estudo evolutivo à luz da teoria piagetiana. Campinas: 2000. Dissertação de mestrado.

DELVAL, Juan. Introdução à prática do Método Clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002. 267 p.

FLAVELL, J.H. A Psicologia do Desenvolvimento de Jean Piaget. São Paulo: Pioneira, 1975.

GLAT, R.; FERNANDES, E.M. Da educação segregada à Educação Inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da educação especial brasileira. Inclusão- Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial d Ministério da Educação, 2005, p.35-39.

MARTINS, L.A.R.; SILVA, K.S.B.P. Pesquisando e investindo na escola inclusiva, com vistas a incentivar a cooperação dos pares. Educação Revista do Centro de Educação, vol. 32, núm. 2, 2007, pp. 357-374.Universidade Federal de Santa Maria,Brasil. Disponível em: http://www.ufsm.br/ce/revista.

OMOTE, Sadao. Deficiência e não-deficiência: recortes do mesmo tecido. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 01, n. 02, 1994 . Disponível em . acessos em 10 maio 2012.

PIAGET, J. & INHELDER, B. A Psicologia da Criança. 6ª Ed. São Paulo: Difel, 1966/1980.

ROCHA, M. Estudo da representação sobre os recursos monetário e sua relação com o consumo por crianças e adolescentes, em um perspectiva piagetiana. Universidade Federal de Viçosa, 2009.

SALEND, S, J. Foresting inclusive values in children: what families can do. Teaching Excepcional Children, v.37, p.64-69., 2004.

SILVA, M. O. Representações de crianças e adolescentes sobre o trabalho numa perspectiva piagetiana. Universidade Federal de Viçosa,2009.
VIEIRA, C. M. Programa Informativo sobre deficiência mental e inclusão: efeitos nas atitudes e concepções de crianças não-deficientes. Universidade Federal de São Carlos, 2006.

VIEIRA, C.M; DENARI, F.E. O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica. Revista da FAEEBA- Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.16, n.27, p.31-40, jan./jun.,2007.
Publicado
2013-10-18
Como Citar
de Araújo Soares, O. M., & Barreto, M. de L. M. (2013). A representação de crianças e adolescentes sobre o respeito e a cooperação pelas crianças e adolescentes com deficiência. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(2), 005-020. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3651
Seção
Artigos