SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL: EXPERIÊNCIA EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO NO NOROESTE GAÚCHO

  • Ana Paula Satler Administradora, Especialista em Gestão e Sustentabilidade Ambiental, UERGS Unidade Três Passos
  • Danni Maisa da Silva Docente da UERGS
  • Divanilde Guerra Docente da UERGS
  • Ramiro Pereira Bisognin Docente da UERGS
  • Robson Evaldo Gehlen Bohrer Docente da UERGS
  • Marciel Redin Docente da UERGS
  • Vanderlei Franck Thies Doutorando no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Eduardo Canepelle Acadêmico da UERGS
Palavras-chave: Cooperativismo, sustentabilidade, educação ambiental.

Resumo

A educação, especialmente no âmbito ambiental, deve despertar a compreensão, necessidade de comprometimento com o meio para que a sociedade assuma responsabilidades, para enfrentar os desafios ambientais da atualidade. O trabalho teve como objetivo desenvolver ações de Educação Ambiental com associados e colaboradores de uma Cooperativa de Crédito da Região Noroeste do Rio Grande do Sul, a fim de promover a sensibilização ambiental, mudanças no comportamento e atitudes relacionadas ao meio ambiente, bem como realizar uma análise sobre a importância dos aspectos ambientais (reduzir, repensar, reaproveitar, reciclar e recusar consumir produtos que gerem impactos socioambientais) relacionados ao cotidiano dos participantes. O método utilizado foi a realização inicial de uma revisão bibliográfica, aplicação de questionários, adaptados de Prieto (2012), para 272 pessoas, com a realização posterior de ações de Educação Ambiental, norteadas pela Agenda Brasileira 21. Determinou-se que a grande maioria dos participantes possui pouco interesse em assuntos ligados às causas ambientais, e desenvolvem poucas ações ligadas ao meio ambiente. Nas ações de Educação Ambiental foram envolvidas 327 pessoas, onde se buscou mostrar de maneira prática aos participantes de atitudes que podem ser realizadas no cotidiano para a melhoria e preservação do meio ambiente. Portanto, com a execução do trabalho foi possível proporcionar momentos de compreensão, responsabilidades individuais e em conjunto, além da reflexão com um público da Cooperativa de Crédito, buscando assim, a construção de um mundo mais sustentável e cooperativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danni Maisa da Silva, Docente da UERGS
Docente da UERGS. Unidade em Três Passos, Rua Cipriano Barata, 211 - Bairro Érico Veríssimo - Três Passos/RS. CEP: 98600-000. Contato (55) 3522-2895. E-mails: danni-silva@uergs.edu.br
Divanilde Guerra, Docente da UERGS
Docente da UERGS. Unidade em Três Passos, Rua Cipriano Barata, 211 - Bairro Érico Veríssimo - Três Passos/RS. CEP: 98600-000. Contato (55) 3522-2895.
Ramiro Pereira Bisognin, Docente da UERGS
Docente da UERGS. Unidade em Três Passos, Rua Cipriano Barata, 211 - Bairro Érico Veríssimo - Três Passos/RS. CEP: 98600-000. Contato (55) 3522-2895.
Robson Evaldo Gehlen Bohrer, Docente da UERGS
Docente da UERGS. Unidade em Três Passos, Rua Cipriano Barata, 211 - Bairro Érico Veríssimo - Três Passos/RS. CEP: 98600-000. Contato (55) 3522-2895.
Marciel Redin, Docente da UERGS
Docente da UERGS. Unidade em Três Passos, Rua Cipriano Barata, 211 - Bairro Érico Veríssimo - Três Passos/RS. CEP: 98600-000. Contato (55) 3522-2895.
Vanderlei Franck Thies, Doutorando no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Engenheiro Agrônomo. Mestre e Doutorando no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Eduardo Canepelle, Acadêmico da UERGS
Academico do Curso de Bacharelado em Agronomia, UERGS Unidade em Três Passos.

Referências

ALMEIDA, S.G.; CORDEIRO, A.; PETERSEN, P. 2001. Crise socioambiental e conversão ecológica da agricultura brasileira. Rio de Janeiro: ASPTA, 2001. 121p.

BOHNER, T.O. L.; ARAÚJO, L. E. B.; NISHIJIMA, T. O impacto ambiental do uso de agrotóxicos no meio ambiente e na saúde dos trabalhadores rurais. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, v. 8, n.0, p. 329-341, 2013.

BRASIL. Lei nº. 12.305. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília: Diário Oficial da União, 2 de agosto de 2010.

BRASIL. Lei nº. 9. 795. Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília: Diário Oficial da União, 28 de abril de 1999.

CRESOL- COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COM INTERAÇÃO SOLIDÁRIA. Conheça a Cresol. Francisco Beltrão: Site CRESOL, 2017. Disponível em: <http://www.cresol.com.br/site/conteudo_historia.php?id=1>. Acesso: 08 Abr. 2017.

DIAS, G.F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia ,1992. 400p.

FRANCISCO, W.C. Energia hidrelétrica. São Paulo: Mundo Educação, 2009. Disponível em <http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/energia‑hidreletrica.htm> Acesso em: 15 Abr. 2017.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.217p.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2001. 653p.

KUHNEN, A. Reciclando o cotidiano: representações sociais do lixo. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1995. 130p.

LEROY, J.P; SCHLESINGER, S.; PÁDUA, J. A.; ACSELRAD, H. Tudo ao mesmo tempo agora: desenvolvimento, sustentabilidade, democracia: o que isso tem a ver com você? Petrópolis: Vozes, 2002. 198p.

MATOS, L. R. R. Políticas públicas e pedagógicas cotidianas: um estudo de caso dos PCN - Meio Ambiente em Sorocaba. 84p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Sorocaba, Sorocaba-SP, 2007.

MEDEIROS, M. C. S.; RIBEIRO, M. C. M. Meio ambiente e educação ambiental nas escolas públicas. Rio Grande: Âmbito Jurídico.com.br. 2018. Disponível em:< www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10267&revista_caderno=5>. Acesso em: 18 dez. 2018.

MMA- MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. A3P: Agenda ambiental na administração pública – Agenda 21 brasileira. Brasília: Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental/Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental, 2009. 98p. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/estruturas/a3p/_arquivos/cartilha_a3p_36.pdf. >. Acesso em 05 dez. 2018.

MUGGLER, C. C.; SOBRINHO, P.A.F.; MACHADO, V. A. Educação em solos: Princípios, teoria e métodos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 4, p. 733-740, 2006.

NAMORADO, R. Da cooperação ao direito cooperativo – para uma expressão jurídica da cooperatividade. Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Coimbra - Portugal, 1993.

O’LEARy, P. R.; WALSH, P. W. (1999). Decision maker’s guide to solid waste management. Washington: U.S. Environmental Protection Agency, 199. 372p.

OCB SESCOOP- ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. Cooperativismo. Brasília: OCB, 2014. Disponível em: <http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/index.asp>. Acesso em: 15 Ago. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS- OCB. Orientação para constituição de cooperativas. Brasília: OCB, 1998.

PINHO, D. B. A doutrina cooperativa nos regimes capitalista e socialista. São Paulo: Pioneira, 1966.161p.

PRIETO, É. C. Universidade sustentável: desafios e compromissos da educação e da gestão ambiental na Universidade Federal de Uberlândia. 173p. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia Uberlândia, 2012.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 2001.87p.

SADER, E. A ecologia será política ou não será. In: GOLDENBERG, M. org. Ecologia, ciência e política: participação social, interesses em jogo e luta de ideias no movimento ecológico. Rio de Janeiro: Revan, 1992. pg. 135-42.

SAIDUR, R. Energy consumption, energy savings, and emission analysis in Malaysian office buildings. Energy Policy, v. 37, n. 10, p. 4104–4113, 2009.

SANTOS, T. S.; BATISTA, M. C.; POZZA, S. A.; ROSSI, L. S. Análise da eficiência energética, ambiental e econômica entre lâmpadas de LED e convencionais. Engenharia Sanitária Ambiental, v. 20, n. 4, p. 595-602, 2015.

TERRAZZAN, P.; VALARINI, P.J. Situação do mercado de produtos orgânicos e as formas de comercialização no Brasil. Informações econômicas, v. 39, n. 11, p. 27-40, 2009.

UNESCO- ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: UNESCO, 1990. 8p. Disponível em. < https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/u9cKhbzBqvUEv8WFFdUqrwsMz8YGMKE9NyhJemct59JpXAkngQjP56DAxN8W/086291por.pdf>Acesso em: 05 Jan 2019.

WCED - COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991. 430p.

ZIMMERMANN, N. Os cinco maiores problemas ambientais do mundo e suas soluções: Poluição do ar, desmatamento, extinção de espécies, degradação do solo e superpopulação representam grandes ameaças ao planeta. São Paulo: Carta Capital - Sustentabilidade. São Paulo, 2016. Disponível em: < https://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/os-cinco-maiores-problemas-ambientais-do-mundo-e-suas-solucoes>. Acesso em: 18 Out. 2017.

Publicado
2020-03-03
Como Citar
Satler, A. P., Silva, D. M. da, Guerra, D., Bisognin, R. P., Bohrer, R. E. G., Redin, M., Thies, V. F., & Canepelle, E. (2020). SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL: EXPERIÊNCIA EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO NO NOROESTE GAÚCHO. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 9(04), 89-99. https://doi.org/10.21206/rbas.v9i04.8925