Democracia e política: limites e alcance do sufrágio universal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18540/revesvl4iss1pp09001-09016

Palavras-chave:

Democracia., Política, Sufrágio Universal, Poliarquia, Emancipação

Resumo

O problema que se coloca, neste ensaio teórico, é o da política, daquele poder que investe sobre a consciência, o corpo e a existência dos indivíduos, através de estratégias de micropoder e novas formas de dominação, como o sufrágio universal. Tendo em vista a democracia concorrencial, buscou-se analisar o distanciamento entre o cenário político ideal e o real e problematizar o papel do sufrágio, no sentido de assegurar a igualdade pretendida, em termos dos direitos constituídos. As eleições podem se constituir como um caminho para contestação do regime vigente e fator de transformação social? A pesquisa teve como objetivo analisar como o pleito eleitoral pode facilitar a escolha de um governo que atue em prol da maioria da população, pois isso é um fator preponderante para proteger o povo de um governo tirano. Conclui-se, portanto, que a participação cidadã através do sufrágio universal é uma das garantias para a existência de uma democracia “plena” (poliarquia), dentro de um cenário público em que é decisiva a ação dos movimentos coletivos, em busca da emancipação e da politização das camadas desfavorecidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-01-02

Como Citar

APARECIDO DE CARVALHO, E.; DE PAULA, A. da S.; KODATO, S. . Democracia e política: limites e alcance do sufrágio universal . REVES - Revista Relações Sociais, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 09001-09016, 2021. DOI: 10.18540/revesvl4iss1pp09001-09016. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/reves/article/view/10884. Acesso em: 14 abr. 2021.

Edição

Seção

General Papers/Artigos