SECAGEM COMBINADA DE CAFÉ CEREJA DESCASCADO

Juan Jose Fonseca Palacin, Adílio Flauzino Lacerda Filho, Evandro de Castro Melo, Erly Cardoso Teixeira

Resumo


Objetivou-se, neste trabalho, avaliar sistemas combinados para a secagem de café, realizando a pré-secagem em leito fixo, em secador de leira e com ar aquecido indiretamente (secador "híbrido"), bem como a complementação da secagem em silos secadores, mediante o emprego de ar na temperatura ambiente. Compararam-se os resultados com os da secagem em terreiro de cimento e com os de secagem completa em "terreiro híbrido". Especificamente, o objetivo foi avaliar a qualidade do produto e o consumo específico de energia. Nos terreiros de cimento e no "híbrido" foram utilizados quatro lotes de 2,5 m3 de café cereja descascado e desmucilado. O silo secador tinha capacidade para 51,3 m3 e foi carregado em lotes, sucessivamente, cujos volumes eram de 4,8 m3. A umidade inicial do primeiro lote era de 25,0% b.u. e a do último, 18,0% b.u. A vazão de ar do ventilador era de 58,0 m3 min-1. Para avaliação comparativa dos sistemas, foram monitorados o teor de água e a massa específica aparente dos grãos, a temperatura e umidade relativa ambiente, a temperatura do ar de secagem e o consumo de combustível e de energia elétrica. O maior consumo de energia específica e o menor índice de qualidade do café foram obtidos no terreiro de cimento. Concluiu-se que a utilização do sistema de secagem combinada e do "terreiro híbrido", se bem operado, pode preservar a qualidade original do café, além de demandar menos energia específica para a secagem.

Palavras-chave


Qualidade de café, sistemas de secagem e energia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13083/reveng.v17i3.45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Licença Creative Commons

Revista Engenharia na Agricultura / Engineering in Agriculture | Viçosa, MG, ISSN 2175-6813