As repercussões do transtorno mental no âmbito familiar: uma análise das mudanças ocorridas e as estratégias no cuidado ao portador de transtorno mental

  • Lucíola Lourenço da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Simone Caldas Tavares Mafra Universidade Federal de Viçosa
  • Karla Maria Damiano Teixeira Universidade Federal de Viçosa
  • Maria das Dores Saraiva de Loreto Universidade Federal de Viçosa

Resumo

O presente artigo apresenta resultados de um estudo que objetivou identificar e analisar as mudanças enfrentadas pelas famílias de portadores de transtornos mentais (PTMs) após a reintegração destes no ambiente familiar, bem como as estratégias familiares para reassumir os cuidados com o mesmo. A pesquisa, exploratório-descritiva, foi realizada com 11 familiares cuidadores dos PTMs, atendidos no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Viçosa-MG. Várias mudanças aconteceram no âmbito familiar, destacando-se a piora no relacionamento familiar, a incorporação da necessidade de cuidar, a priorização das necessidades do PTM, e, a reorganização do ambiente físico da habitação. A reintegração do PTM à família altera o cotidiano familiar, principalmente a vida pessoal/profissional do cuidador, que desenvolve estratégias próprias para alcançar o equilíbrio do sistema familiar, pautando-se em sentimentos de obrigação pessoal, afetividade e reciprocidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucíola Lourenço da Silva, Universidade Federal de Viçosa
Economista Doméstico. Mestre em Economia Doméstica. Assistente em Administração, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Brasil.
Simone Caldas Tavares Mafra, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Engenharia de Produção, com Pós-Doutorado em Minority Aging pela University of Texas Medical Branch – Estados Unidos. Professora Associada do Departamento de Economia Doméstica, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil. Tutora do Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica, SESu/MEC.
Karla Maria Damiano Teixeira, Universidade Federal de Viçosa
PhD em Family and Child Ecology, Michigan State University, Estados Unidos. Professora Associada do Departamento de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil.
Maria das Dores Saraiva de Loreto, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Economia Aplicada, com Pós-doutorado em Família e Meio Ambiente pela University of Guelph - Canadá. Professora Associada do Departamento de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil.

Referências

AMARAL, M. T. M. P. Encontrar um novo sentido da vida: um estudo explicativo da adaptação após lesão medular. Revista da Escola de Enfermagem da USP,
v. 43, n. 3, p. 573-80, 2009.

BRASIL – Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

BRASIL – Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL – Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5. ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

CELICH, K. L. S.; BATISTELLA, M. Ser cuidador familiar do portador de doença de Alzheimer: vivências e sentimentos desvelados. Cogitare Enfermagem, v. 12,
n. 2, p. 143-9, 2007.

COLVERO, L. de A.; IDE, C. A. C.; ROLIM, M. A. Família e doença mental: a difícil convivência com a diferença. Revista da Escola Enfermagem da USP,
v. 38, n. 2, 2004.

DIOGO, M. J. D. E. A dinâmica dependência-autonomia em idosos submetidos à amputação de membros inferiores. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 5, n. 1, p. 59-64, 1997.

FARIA, J. B. de; SEIDL, E. M. F. Religiosidade e Enfrentamentos em Contextos de Saúde e Doença: Revisão de Literatura. Revista Psicologia: reflexão e crítica,
v. 18, n. 3, p. 381-9, 2005.

FÉRES-CARNEIRO, T. Família e saúde mental. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 8,
p. 485-93, 1992.

GOUJOR, A. P. Perspectivas de cuidado na desinstitucionalização e Simpósio sobre Saúde Mental em Jurujuba: entrevista com Ana Paula Guljor. LAPPIS – Laboratório de Pesquisas sobre Práticas de Integralidade em Saúde. [S.l. : s.n.t.], 2007.

LAHAM, C. F. Percepção de perdas e ganhos subjetivos entre cuidadores de pacientes atendidos em um programa de assistência domiciliar. 2003. 161 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MARCON, S. S.; SASSÁ, N. H.; SOARES, N. T. I.; MOLINA, R. C. M. Dificuldades e conflitos enfrentados pela família no cuidado cotidiano a uma criança com doença crônica. Revista Ciências, Cuidado e Saúde, m. 6, p. 411-9, 2007.

MELMAN, Jonas. Família e doença mental. Repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. 2. ed. São Paulo: Escrituras, 2006.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

NAVARINI, V.; HIRDES, A. A Família do portador de transtorno mental: identificando recursos adaptativos. Texto Contexto – Enfermagem, Florianópolis,
v. 17, n. 4, p. 680-8, 2008.

NERI, A. L.; SOMMERHALDER, C. As várias faces do cuidado e do bem-estar do cuidador. In: NERI, A. L. (Org.). Cuidar de idosos no contexto da família: questões psicológicas e sociais. 2. ed. Campinas, SP: Alínea, 2006.

PEREIRA, M. A. O.; JR, A. P.Transtorno mental: dificuldades enfrentadas pela família. Revista Escola de Enfermagem da USP, v. 37, n. 4, p. 92-100, 2003.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROSA, L. C. S. Transtorno mental e o cuidado na família. São Paulo: Cortez, 2003.
SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia - Te Corá, 1999.

SERAPIONE, M. Avaliação da qualidade em saúde: a contribuição da sociologia da saúde para a superação da polarização entre a visão dos usuários e a perspectiva dos profissionais de saúde. Saúde em Debate, n. 23, v. 53, p. 81-92, 1999.

SIQUEIRA, M. M. M. Esquema mental de reciprocidade e influências sobre afetividade no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 10, n. 1, 2005.

SOARES, C.; MUNARI, D. Considerações acerca da sobrecarga em familiares de pessoas com transtornos mentais. Ciência, Cuidado e Saúde, Brasil, v. 6, n 3, jun. 2007.

SOUZA, M. S. de; BAPTISTA, M. N. Associações entre suporte familiar e saúde mental. Revista Psicologia Argumento, n. 26, v. 54, p. 207-15, 2008.

WALDOW, V. R. O cuidado na saúde: as relações entre o eu, o outro e os cosmos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.
Publicado
2013-10-18
Como Citar
Silva, L. L. da, Mafra, S. C. T., Damiano Teixeira, K. M., & Loreto, M. das D. S. de. (2013). As repercussões do transtorno mental no âmbito familiar: uma análise das mudanças ocorridas e as estratégias no cuidado ao portador de transtorno mental. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(2), 068-091. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3684
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 > >>