“Uns valorizam, outros discriminam": família e sociedade na percepção dos catadores de materiais recicláveis

  • Renata Souza Rolim Universidade Federal de Viçosa
  • Karla Maria Damiano Teixeira Universidade Federal de Viçosa
  • Raquel de Aragão Uchôa Fernandes Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

Os catadores de materiais recicláveis desempenham um importante trabalho socioambiental à medida que reinserem no processo produtivo os materiais recicláveis que foram descartados pela sociedade. No entanto são estigmatizados pela sociedade e mesmo família por realizarem um trabalho que os mantém em constante contato com aquilo comumente chamado de lixo. Este artigo tem como objetivo apresentar a percepção da sociedade e família segundo a opinião dos catadores em relação ao trabalho que eles desenvolvem. Como procedimento metodológico fez-se o uso de entrevistas semi-estruturadas com 45 catadores de seis organizações, sendo 4 associações e 2 cooperativas localizadas na Região Metropolitana do Recife (RMR). Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo. Os resultados apontaram significados opostos, onde parte da sociedade e família, reconhecem e valorizam o trabalho dos catadores, e outra os estigmatizam. Desse modo, percebe-se a importância dos educadores na construção de novos valores societários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Souza Rolim, Universidade Federal de Viçosa
Departamento de Economia Doméstica
Karla Maria Damiano Teixeira, Universidade Federal de Viçosa
Departamento de Economia Doméstica
Raquel de Aragão Uchôa Fernandes, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Departamento de Ciências Domésticas

Referências

ARAÚJO, Regiane Caetano de. A “cultura do lixo”, seus estigmas e relações com coletores de materiais recicláveis. In: XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-Alas Brasil, 2012, Teresina. Anais do 15º Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste. Teresina: UFPI, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO ALUMÍNIO – ABAL.; ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LATA DE ALTA RECICLABILIDADE – ABRALATAS. Índice de reciclagem de latas de alumínio no Brasil – 2011. Disponível em: < http://www.abralatas.com.br/ba/1947Divulgacao_Indice_Reciclagem_Latas_30outubro2012.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2014.

BESEN, Gina Rizpah. Sustentabilidade dos programas de coleta seletiva com inclusão social: avanços, desafios e indicadores. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, 2008, Brasília, DF. Anais do Encontro da ANPPAS. Brasília, DF, ANPPAS, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2013.

BORTOLI, Mari Aparecida. Catadores de materiais recicláveis: a construção de novos sujeitos políticos. Katál. Florianópolis, v. 12, n.1, p. 105-114, jan./jun. 2009.

¬¬BRASIL. Lei n. 12.305, 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 2 de ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações – CBO. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2013.

BOSI, Antônio de Pádua. A indústria da reciclagem: a organização capitalista do trabalho dos catadores. Debates Contemporâneos. Brasília, DF. Ano XIX, n. 45, jan. 2010.

CARVALHAL, Terezinha Brumatti. A questão de gênero nos sindicatos de Presidente Prudente. 2003. 205 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, São Paulo, 2003.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA A RECICLAGEM – CEMPRE. Fichas Técnicas. CEMPRE, 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2013.

COM luta, com garra, o MNCR avança! De catador para catador, São Paulo, 4 dez. 2010.

FÉ, Carlos Frederico Cerqueira de Moura.; FARIA, Maurício Sardá de. Catadores de resíduos recicláveis: autogestão, economia solidária e tecnologias sociais. In: ZANIN, Maria; GUTIERREZ, Rafaela Francisconi. (Orgs.). Cooperativas de catadores: reflexões sobre práticas. São Carlos: Claraluz, 2011. p. 15-36.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, LTC, 1998.

GONÇALVES, Marcelino Andrade. O trabalho no lixo. 2006. 303 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, SP, 2006.

GONÇALVES, Rúbia Cristina Martins. A voz dos catadores de lixo em sua luta pela sobrevivência. 2005. 134 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, 2005.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Mapa do analfabetismo no Brasil. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2014.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA – IPEA. Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável: região nordeste. Brasília, 2013. 38 p.

JUNCÁ, Denise Chrysóstomo de Moura.; GONÇALVES, Marilene Parente.; AZEVEDO, Verônica Gonçalves. A mão que obra no lixo. Niterói: EdUFF, 2000.

MACIEL, Fabrício.; GRILLO, André. O trabalho que (in)dignifica o homem. In: SOUZA, Jessé. (Org.), A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2009. p. 241-277.

MAGERA, Márcio Conceição. Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade. 2. ed. Campinas, SP: Átomo, 2005.

MEDEIROS, Luiza Ferreira Rezende de.; MACÊDO, Kátia Barbosa. Catador de materiais recicláveis: uma profissão para além da sobrevivência? Psicologia & Sociedade, v.18, n.2, p.62-71, mai/ago, 2006.

MIURA, Paula Orchíucci.; SAWAIA, Barder Burihan. Tornar-se catador: sofrimento ético-político e potência de ação. Psicologia & Sociedade, 25(2), p. 331-341, 2013.

MOVIMENTO NACIONAL DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS – MNCR. Mulheres são a maioria entre catadores de materiais recicláveis. 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2013.

OLIVEIRA, Cristiano Benites. A vida em baixo da reciclagem: disparidades entre os significados de uma mesma questão social. In: 33º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 2009, Caxambu, MG. Anais eletrônicos... Caxambu: ANPOCS, 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2013.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Desigualdade de género en el mercado laboral: dos passos hacia adelante, uno hacia atrás. Genebra, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2014.

PINHEL, Julio Ruffin.; ZANIN, Maria.; MÔNACO, Graziela Del. Catador de resíduos recicláveis: um perfil profissional em construção. In: ZANIN, Maria; GUTIERREZ, Rafaela Francisconi. (orgs.). Cooperativas de catadores: reflexões sobre práticas. São Carlos: Claraluz, 2011. p. 52-101.

RIBEIRO, Alan Augusto Moraes. “No meio e misturado”: o moreno como identificação de cor entre estudantes de uma escola pública. Conjectura, Caxias do Sul, v. 15, n. 1, jan./abr. 2010. p. 67-77.

ROLIM. Renata Souza.; MASSENA DE MELO, Maria de Fátima. A “inclusão” social dos/as catadores/as de materiais recicláveis por meio da informalidade. In: X Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão (JEPEX) da Universidade Federal Rural de Pernambuco – Recife, Garanhuns, Serra Talhada. Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, 2010, Recife. Anais da JEPEX 2010. Recife: ADALTECH, 2010. CD-ROM.

______. Renata Souza.; TEIXEIRA, Karla Maria Damiano. Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis na luta contra a incineração. In: Seminário Internacional Cidade e Alteridade: Convivência Multicultural e Justiça Urbana, 2012, Belo Horizonte. Anais (no prelo). Belo Horizonte: Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, 2012.

______. Renata Souza.; TEIXEIRA, Karla Maria Damiano.; FERNANDES, Raquel de Aragão Uchôa. Catação de materiais recicláveis como alternativa de trabalho: um estudo com catadoras de uma cooperativa na Região Metropolitana do Recife. In: II Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades: Globalização e Interdisciplinaridade, 2013, Belo Horizonte. Anais do II CONINTER. Belo Horizonte: CONINTER, 2013. Disponível em: < www.2coninter.com.br/artigos/pdf/677>. Acesso: 04 nov. 2013.

SANTOS, Gemmelle Oliveira.; SILVA, Luiz Fernando Ferreira da. Há dignidade no trabalho com o lixo? Considerações sobre o olhar do trabalhador. Revista Mal Estar e Subjetividade. Fortaleza, v. 9, n. 2, p. 689-716, jun. 2009.

SISTEMA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO – Sistema PED. Os negros nos mercados de trabalhos metropolitanos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2014.

WIRTH, Ioli Gewehr. Trabalho e gênero em cooperativas de triagem de resíduos sólidos. In: ZANIN, Maria.; GUTIERREZ, Rafaela Francisconi. (Orgs.). Economia solidária: tecnologias em reciclagem de resíduos para geração de trabalho e renda. São Carlos: Claraluz, 2009. p. 102-135.
Publicado
2015-09-23
Como Citar
Rolim, R. S., Teixeira, K. M. D., & Fernandes, R. de A. U. (2015). “Uns valorizam, outros discriminam&quot;: família e sociedade na percepção dos catadores de materiais recicláveis. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 26(1), 205-224. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3709
Seção
Artigos