Artesanato, cultura e identidade do grupo Art D'mio de Brás Pires-MG

  • Marli Irias
  • Rita de Cássia Pereira Farias Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão sobre a importância do artesanato, cultura e identidade do grupo Art D’Mio do município de Brás Pires-MG. O universo empírico foi constituído por 14 mulheres e um homem (8 artesãs, 1 artesão/atravessador e 6 costureiras), além de funcionários e ex funcionários do Instituto Xopotó de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental e por duas designers que contribuíram para o desenvolvimento do grupo. As artesãs reconhecem que o trabalho artesanal é uma tradição, no entanto, ao encontrar dificuldades de continuar produzindo o artesanato, buscaram novas alternativas de renda. As investigações revelaram que as artesãs percebem a importância do fazer artesanal, mas se sentiam desmotivadas a permanecer no grupo principalmente pela pouca rentabilidade com seus produtos. Apesar disso, acredito que o grupo pode ressurgir e se reinventar, uma vez que, durante o período de sua constituição gerou nessas mulheres novas expectativas que contribuíram para a formação dessas mulheres.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marli Irias
Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (2013). Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial em Economia Doméstica (MEC) no período de Junho de 2010 a Maio de 2013. Atualmente está cursando o mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa, com ênfase em Trabalho, consumo e cultura. Tem grande interesse nas área de Antropologia, Vestuário e Têxteis (especialmente a artesanal), Qualidade de vida, Desenvolvimento Humano e Extensão Rural.
Rita de Cássia Pereira Farias, Universidade Federal de Viçosa
Professora adjunta do departamento de Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa e doutora em Antropologia Social pela Unicamp. Viçosa, MG, Brasil.

Referências

ALCALDE, E. A.; BOURLEGAT, C. A. L.; CASTILHO, M. A. O papel dos agentes na comunidade de artesãos em Três Lagoas-MS, como instrumentos impulsionadores do desenvolvimento local. Revista Internacional de Desenvolvimento Local. v. 8, n. 2, p. 223-234, Set. 2007.

ALMEIDA, A. J. M. A identidade nacional e a cultura popular no design de moda brasileiro. In: 9° Colóquio de Moda – Fortaleza, Ceará, 2013.

ANGROSINO, Michael. Etnografia e Observação Participante. Tradução José Fonseca; consultoria, supervisão e revisão desta edição Bernardo Lewgoy - Porto Alegre: Artmed, 2009. 138 p.
BARROS, L. A. S. Design e Artesanato as trocas possíveis. PUC: Rio de Janeiro, 2006, 132 p.

BRANDÃO, P.; SILVA, F.; FISCHER, T. Potencialidades do artesanato no desenvolvimento de destinos turísticos criativos e sustentáveis. Book of Proceedings – Tourism and Management Studies International Conference Algarve, 2012, v.1. Disponível em: . Acessado em: 31 de out. 2015.

BORGES, A. Designer não é personal trainer: e outros escritos. 2. ed. São Paulo, Edições Rosari, 2003.

CANCLINI, N. As culturas populares no capitalismo. São Paulo, Brasil: Brasiliense, 1983, p.93.

CANEDO, Daniele Pereira. Cultura é o quê? reflexões sobre o conceito de cultura e a atuação dos poderes públicos. IN: V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador, Bahia, 27 a 29 de maio de 2009.

CASTELLS, M. O poder da identidade. Tradução Klauss Bandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 1999, 92 págs.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 1999, 266 pag.

CUCHE, D. O Conceito de Cultura nas Ciências Sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. 2 ed. Bauru: EDUSC, 2002.

DIAS, A. F. Dos estudos culturais ao novo conceito de identidade. Revista Forum identidade. Itabaiana: Gepiadde, n.5, v.9, jan-jun, de 2011.

DUBAR, C. A Crise das identidades. A interpretação de uma mutação. Porto: Edições afrontamento, 2006.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 343 p.

FERREIRA, Rodrigo de Souza. Plano de Desenvolvimento Municipal Brás Pires: 2011-2020. Brás Pires, 2011, 128 p.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. - São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GONZAGA, L. L.; ARANTES, M. Moda com a palha de Milho. Brás Moda: Catálogo de Moda Brás Pires. Disponível em: . Acessado em: 15 de jun de 2015.

GUIBERNAU, M. M. Nacionalismos: O estado nacional e o nacionalismo no séc. XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

HALL, S. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HALL, S. Diáspora e identidade cultural. In: Revista do Patrimônio. Cidadania. No 24. Brasília, DF: IPHAN, 1996, p.68.
IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Minas Gerais: Brás Pires, infográficos: históricos. Disponível em: . Acessado em: 15 de jun de 2015.

KELLER, P.; NORONHA, R.; LIMA, R. G. Artesanato, políticas públicas e identidade cultural. In: V Jornada Internacional de Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, Bacanga, Maranhão, 2011.

LANGDON, E. J.; WIIK, F. B. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, n.18, v.3, mai-jun, 2010.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LEMOS, M. E. S. O artesanato como alternativa de trabalho e renda: Subsídios para Avaliação do Programa Estadual de Desenvolvimento do Artesanato no Município de Aquiraz-Ce. Dissertação (Mestrado Profissional em Avaliação de Políticas Públicas). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, 2011.

LIMA, R. G. Artesanato e arte popular: duas faces de uma mesma moeda. Disponível em: . Acessado em: 19 de out.2015.

LÓSSIO, R. A. R.; PEREIRA, C. M. A importância da valorização da cultura popular para o desenvolvimento local. In: III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil

MASCÊNE, D. C.; TEDESCHI, M. Atuação do Sistema SEBRAE no artesanato. Brasília: SEBRAE, 2010. 64 p.

MOURA, A. N. D. A influência da cultura, da arte e do artesanato brasileiros no design nacional contemporâneo: um estudo da obra dos irmãos campana. Dissertação (Mestrado em Design). Programa de Pós Graduação em Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Belo Horizonte, 2011.

NETO, E. B. O que é artesanato. Disponível em: . Acessado em: 19 de out.2015.

OLIVEIRA, M. J. Artesanato: narrativa de um povo. Anuário Unesco/Metodista de Comunicação Regional, Ano 15, n.15, p. 129-145, jan/dez. 2011.

OLIVEIRA, R. C. O Trabalho do antropólogo: Olhar, Ouvir e Escrever. Revista de Antropologia. Publicação do Departamento de Antropologia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. Volume 39, nº 1.São Paulo, 1996.

PAB - PROGRAMA DO ARTENATO BRASILEIRO. Base Conceitual do Artesanato Brasileiro. Brasília, 2012. Disponível em: < http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1347644592.pdf> Acessado em: 10 de Julho de 2015.

PAZ, O. Convergências: ensaios sobre arte e literatura. Tradução de Moacir Werneck Castro. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

POUSADA, C. O Brasil dos artesãos. In: LEAL, Joice J. Um olhar sobre o design brasileiro. São Paulo: Objeto Brasil e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.
SENNETT, Richard. O artífice. Tradução de Clóvis Marque - 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.

RICCO, A. S. Processos culturais na construção da identidade de grupos sociais. Destarte, Vitória, v.4, n.1, p. 97-119, abr., 2014.

RODRIGUES, T. Jornal Estado de Minas. Artesãs transformam o que antes era visto como um subproduto descartável, 2009.

SALLES, V. As artes e os ofícios: o artesanato, In: Diégues Junior, Manuel – História da Cultura Brasileira – 1, Rio de Janeiro, Conselho Federal de Cultura, 1973, p. 171-186.

SANTOS, L. As Identidades Culturais: Proposições Conceituais e Teóricas. Revista Rascunhos Culturais. Coxim, MS, v.2, n.4, jul. 2011.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Programa Sebrae de Artesanato. Termo de referência. Brasília: SEBRAE, 2004.

SILVA, R.; KELLY, E. Design e artesanato: um diferencial cultural na indústria do consumo. Disponível em:
SILVA, Vagner Gonçalves da. O antropólogo e sua magia: trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

TEIXEIRA, M. G.; BRAGA, J. S.; CÉSAR, S. F.; KIPERSTOK, A.. Artesanato e desenvolvimento local: o caso da Comunidade Quilombola de Giral Grande, Bahia. Interações, Campo Grande, v. 12, n. 2, p. 149-159, jul./dez . 2011.

VIDAL, L. & SILVA, A. L da. O Sistema de objetos nas Sociedades Indígenas: Arte e Cultura Material. In.: SILVA, A. L. & GRUPIONI, L. D. B. A Temática Indígena na Escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 369.

VIEIRA, G. S. O. Artesanato: Identidade e Trabalho. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Ciências Sociais (FCS), Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Goiânia, 2014, 180 págs.

WILLIAMS, R. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. Tradução de Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2007.
Publicado
2016-12-08
Como Citar
Irias, M., & Farias, R. de C. P. (2016). Artesanato, cultura e identidade do grupo Art D’mio de Brás Pires-MG. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 27(2), 119-151. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3733
Seção
Artigos