A família na manutenção do ideal corporal hegemônico contemporâneo: da produção da vergonha à reabilitação social

  • Fabiano Eloy Atílio Batista Universidade Federal de Viçosa
  • Rita de Cássia Pereira Farias Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Família, Transformação corporal, Reality Show,

Resumo

O artigo apresenta reflexões sobre as contribuições da família na manutenção de um ideal corporal privilegiado pela sociedade contemporânea que oferece uma diversidade de produtos e serviços que prometem uma “melhor aceitação” do indivíduo nos modelos corporais hegemônicos. Com isso, contribuímos para as discussões sobre a antropologia do corpo ao demonstrar que o corpo não é algo natural, mas socialmente construído no contexto da cultura e sofre a interferência de diversos agentes, inclusive da família, mediante discursos e práticas regulatórias que ditam maneiras de lidar com os corpos, habilitando-os ou desabilitando-os para as interações sociais. A pesquisa é de natureza qualitativa, descritiva e documental e foi realizada mediante a análise dos discursos divulgados no reality show de transformação corporal Arruma meu Marido, no qual verificou-se os múltiplos conflitos decorrentes da corporalidade “inadequada” dos sujeitos. Observou-se que a adequação, ou não, aos padrões de beleza contribui para estabelecer a aceitação, ou não, dos sujeitos na vida privada ou coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Eloy Atílio Batista, Universidade Federal de Viçosa
Mestre em Economia Doméstica (UFV), Especialista em Televisão Cinema e Mídias Digitais (UFJF), Especialista em Moda, Cultura de Moda e Arte (UFJF), Design de Moda (Estácio de Sá).
Rita de Cássia Pereira Farias, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Antropologia Social, professora do curso de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da UFV.
Publicado
2018-10-03
Como Citar
Batista, F. E. A., & Farias, R. de C. P. (2018). A família na manutenção do ideal corporal hegemônico contemporâneo: da produção da vergonha à reabilitação social. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 29(1), 23-41. https://doi.org/10.31423/2236-8493.v29i1.370